App de táxi feminino é criado para combater assédio e desemprego no Egito

Mostafa El Kholy e Abdallah Hussein, dois jovens egípcios de 26 anos, lançaram há dois meses o Fyonka (Laço, em árabe), um app similar ao Uber, mas que só as mulheres podem usar, tanto motoristas como clientes.

“Em Londres vimos que as mulheres desempenham um papel proeminente na sociedade. Podem trabalhar em qualquer coisa e são livres para fazer o que quiserem”, explicaram à Agência EFE os empreendedores, que lamentam que no Egito existam “barreiras familiares e sociais” que impedem as mulheres de trabalharem em certos setores, como o táxi.

O Fyonka atualmente emprega 30 motoristas e treina mais 200 para, pouco a pouco, abrir as portas para “empregos tradicionalmente não aceitáveis” para mulheres, embora essa não seja a única meta.

Apesar de ter 100 milhões de habitantes, a população ativa do país conta com apenas 5,3 milhões de mulheres. A taxa de desemprego feminino é de 21,4%, o triplo do que ocorre entre os homens, segundo a agência de estatísticas do governo. De acordo com dados da ONU, quatro em cada cinco mulheres sofrem diariamente alguma forma de assédio sexual nos táxis e no transporte público do Egito, país no qual 99,3% das mulheres já foram assediadas ou abusadas sexualmente em algum momento da vida, segundo a mesma fonte.

Fonte: https://exame.abril.com.br/negocios/app-de-taxi-feminino-e-criado-para-combater-assedio-e-desemprego-no-egito/
{{ message }}

{{ 'Comments are closed.' | trans }}